O objetivo deste blog é divulgar toda a minha produção poética, sem prejuízo de continuar a ser postada também no Portal de Poesia Rodolfo Pamplona Filho (www.rodolfopamplonafilho.blogspot.com).
A diferença é que, lá, são publicados também textos alheios, em uma interação e comunhão poética, enquanto, aqui, serão divulgados somente textos poéticos (em prosa ou verso) de minha autoria, facilitando o conhecimento da minha reflexão...
Espero que gostem da iniciativa...

domingo, 10 de dezembro de 2023

Amor em Fases




Apaixonei-me pela ninfeta de 14

Conheci a jovem de 34

Entreguei-me à mulher de 54

Envelheci feliz com a senhora de 74

Amei-a intensamente em todas as suas fases...


San Francisco, 30 de setembro de 2010.


sábado, 9 de dezembro de 2023

Gratidão

 



Gratidão não se exige,

não se pede, nem se espera...

É presente de um coração puro,

que não vê outra forma de agir,

na memória da marca do passado

e do alívio do auxílio no desespero...


Por isso, a ingratidão machuca

como punhaladas nas costas,

como um tapa no rosto,

como uma dor fatal no peito...


O ingrato merece mais do que repúdio:

é pena de morte no coração,

que se fecha em uma ferida purulenta,

cujos bálsamos somente são

o ostracismo ou a ressurreição do perdão...


Reconhecer-se grato é o exercício da verdadeira humildade,

que é saber que, sozinho, não se consegue nada,

pois conquistas isoladas são vitórias de Pirro,

em que obter o resultado não significa necessariamente desfrutá-lo...


Gratidão é a resposta sincera

que o afeto exige por coerência!

É a marca que renova a esperança,

que não é a última que morre, posto imortal,

mas, sim, a certeza de que

ainda se pode ter fé na humanidade


Maceió, 03 de setembro de 2010

sexta-feira, 8 de dezembro de 2023

Meretrizes da Zona Sul (extended version)

 



São como rosas,

cheias de espinhos;

são como pedras,

mudando caminhos;

anjos das alcovas, com lábios de mel...

vidas amargas, no mais puro fel...

Ela são

Rainhas da Noite, de uma “Noite de Blues”!

Pobres mulheres!

Meretrizes da Zona Sul


Corpos maculados,

com almas tão puras

Feras escondidas

em doces criaturas.

Preferem a dor do que a solidão,

vendendo a si próprias, em busca do pão.

Ela são

Rainhas da Noite, de uma “Noite de Blues”!

Pobres mulheres!

Meretrizes da Zona Sul


Deusas pagãs

Senhoras da Vida

Fêmeas amadas

Temidas, feridas

São bichos selvagens em jaula de pedra

Crianças perdidas no meio da selva

Ela são

Rainhas da Noite, de uma “Noite de Blues”!

Pobres mulheres!

Meretrizes da Zona Sul


“É melhor ser meretriz do que ser ladrão” (será mesmo?)

“Vendo meu corpo, mas não vendo minha alma!” (será mesmo?)


Letra e Música: Rodolfo Pamplona Filho

(2004)


quinta-feira, 7 de dezembro de 2023

Direito Skinhead




Princípio da Truculência Máxima:

In dubio, pau no réu..

Tal qual em “O Pequeno Príncipe”,

você se torna eternamente responsável

pelas empresas que cria...

Afinal de contas,

o processo judicial não pode

ter sensação de coito interrompido...


Quebra de sigilo fiscal,

bancário, telefônico e pessoal:

tudo isso é fichinha

para o que se está

disposto a fazer,

para, em seu entender,

cumprir o seu dever...


Bloquear suas contas,

restringir o seu crédito,

mandar prendê-lo,

se deixassem...

Não há limites

para a sede de justiça,

ainda que seja para beber

todo o seu sangue e seu suor...


Quando o Direito

não é respeitado,

tanto na vida,

quanto no processo...


Quando o Direito

parece ser apenas

um conto de fadas

ou uma história de Carochinha...


Quando o Direito

reconhece que não há

limites para a criatividade humana

quando se quer manobrar para não honrar,

fugir ou fraudar direitos...


Quando o Direito

definitivamente

precisa ser reinventado

para ser efetivado,

não há mais salvação:

É o tempo e lugar

do Direito Skinhead!


Salvador, 04 de setembro de 2010, estressado em um sábado...

Filhas crescem




O bebê que vi nascer

e carreguei no colo

desabrochou com a primavera

de um tempo que não para...

E se viu menina...

E se viu moça...

E se viu mulher...

E se viu mãe...

Mãe de meu neto...

Retomando o ciclo,

carregando o bastão

e redescobrindo a gênese,

que nunca terminará...



Rio de Janeiro, noite de 20 de setembro de 2013, refletindo sobre o tema e uma musica de John Mayer no Rock in Rio.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2023

Resposta

 






Eu respondo com o silêncio

Dos que foram forçados...

... a calar...

... por ter coragem

Eu respondo com as lágrimas

Das mães da Plaza de Mayo...

... que choraram...

... de verdade

Eu respondo com o sangue

Jorrado e derramado...

... na Praça da Paz...

... onde se fez a guerra

Eu respondo com a dor,

A dor que torturados...

...que morreram por não pensar...

... igual a quem tinha...

O poder...

... para mudar

O poder...

... para fazer sofrer

e matar.


(1991)

Letra e Música: Rodolfo Pamplona Filho


terça-feira, 5 de dezembro de 2023

Perdendo a Fé




Será possível definir o momento

em que se passa a crer em algo?

Se isto for aceitável,

por que não o seria

o instante em que se perde a fé?

A fé como a certeza

no que não se vê...

A fé como a esperança

que não se está só...

A fé como a motivação

para ainda confiar em alguém...


A fé não se explica: sente-se...

como um sopro no calor,

um abraço no temor,

uma luz na escuridão,

uma pausa na aflição...

A fé consola e acalma,

traz paz ao fundo da alma,

transforma a derrota em vitória

e muda o sentido da história.


Em que se perde a fé?

No homem, na lição,

na promessa, na salvação,

no governo, no projeto,

no caminho estreito e reto...

Perde-se fé na igreja

ou na comunidade,

na capacidade benfazeja

de falar a verdade...


Há como não perder a fé,

quando isto soa inevitável?

Há como permanecer de pé,

diante do inominável?

Há como acreditar na graça,

sem esperar um salvador?

Perder a fé é uma desgraça...

E isto é desolador,


pois o que se pode fazer quando

se descobre ter perdido a fé?

Reencontrar a estrada de outrora,

como se tantos passos

já não tivessem sido dados?

Como se tantas experiências

não tivessem diferentes lados?

Como se fosse possível desprezar

toda a vida posterior?

Como se a vontade pudesse apagar

singelamente toda dor?


Perdi a fé,

perdendo a fé...

Salvador, 07 de novembro de 2010.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2023

Wilderness

 






How many times

have you heard my shy voice

telling feelings that

don’t have meaning in words?


How many times

must I tell you that I miss you

while a storm of tears

keep crumbling from my face


And even if

the sky should fall down

and the ocean

turns to a desert


I won’t

be afraid of passion

‘cause the more you love,

the more you grown


So, do you think it’s over

and time will pass

like summer rain

So, do you think you can let me

with my wilderness

waiting for a call,

wishing you were here again


Letra e Música: Rodolfo Pamplona Filho (1992)

domingo, 3 de dezembro de 2023

Saudade de Casa

 




Por vezes, tenho vontade de chorar...

Sei o motivo, mas não consigo controlar

Há um vácuo que preenche o que era completo

Uma carência de beijo, dengo e afeto


Não sei o que é pior: a distância ou a despedida;

O romper do contato no momento da partida

Um olhar para trás, um abraço apertado,

um aceno tristonho, um olhar desolado...


Como uma dor machuca tanto sem ferir?

Como dominar o que posso apenas sentir?

A paz é arrancada desde a raiz

Uma marca viva que não vira cicatriz...


Pense duas vezes antes de reclamar

Dos problemas da vida, da rotina do lar...

Há tristeza que ninguém sabe como se mede

Só se valoriza o que se tem quando se perde


A lágrima vem solta e quente

Quem negar isso apenas mente

mas faz bem, porque, como um rio

leva o fel para um outro lado vazio....


A cada alvorecer, há uma nova esperança...

que surge inocente, como sorriso de criança,

mudando planos e rumos, batendo asa,

tudo por causa da saudade de casa...


Ciudad Real, 09 de setembro de 2008

sábado, 2 de dezembro de 2023

Adoção Afetiva





A vida me contemplou

com filhos maravilhosos,

tanto no sangue,

quanto no coração!


Isso se dá, com fé,

pois, definitivamente,

a paternidade não é

uma biologia permanente.


É muito mais do que isso:

é uma eleição de paradigma

de quem assume o compromisso

de não ser um enigma.


Apadrinha-se, torna-se companheiro,

confidente, ombro amigo e parceiro.

Comemora-se junto, chora-se também,

da verdade biológica, vai-se além...


A paternidade por adoção afetiva

honrou-me com um carinho

que nem todos têm na vida...

que não se compreende sozinho...


mas que é a prova mais dura

de que pessoas podem se amar

e se entregar de forma pura,

sem qualquer outro interessar,


como deveria ser, aliás,

em qualquer verdadeira relação

de um afeto que não volta atrás...

de uma escolha consciente de devoção.


Aracaju, 07 de outubro de 2010.