O objetivo deste blog é divulgar toda a minha produção poética, sem prejuízo de continuar a ser postada também no Portal de Poesia Rodolfo Pamplona Filho (www.rodolfopamplonafilho.blogspot.com).
A diferença é que, lá, são publicados também textos alheios, em uma interação e comunhão poética, enquanto, aqui, serão divulgados somente textos poéticos (em prosa ou verso) de minha autoria, facilitando o conhecimento da minha reflexão...
Espero que gostem da iniciativa...

terça-feira, 24 de abril de 2018

As pequenas coisas irritantes da vida...









Rodolfo Pamplona Filho


Há coisas pequenas que estragam 

meu dia, meu humor, minha paz
Se soam como cães ladrando,
atingem-me como facada nas costas,
pois chegam quando menos se espera
e se originam de onde sequer

poderia eu imaginar...
Se a memória é um dom,
pode ser também uma maldição,
se gera o vício
na dependência difícil 
do gosto do fel...
Quando começo a remoer, 
preciso de algum tempo para assentar
e conseguir superar 
a frustração 
a decepção 
a desilusão 
e tudo mais que rima com ão...
pois condenado estou
a não ter mais salvação...



Salvador, 19 de dezembro de 2015, profundamente chateado com a pequenez de quem julga e condena sem responsabilidade...

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Amando em Braille





Rodolfo Pamplona Filho



Eu quero te amar em Braille...
Tocando na tua pele
como a ler uma mensagem
do segredo mais profundo
de nossa existência...
Conhecendo cada canto
com meus dedos e minha língua...
Provando o gosto forte
que emana de cada poro...
Respirando o perfume
que exala de teus cabelos...
Vibrando com a excitação
do eriçar de teus pelos...
Sentindo a firmeza de teus músculos
que impressionam no toque...
Aprendendo o idioma
que permite o prazer
do diálogo sem palavras,
mas com perfeita compreensão...
Lendo o teu corpo
apenas para saber
que não há no dicionário
palavra mais bela
do que o receptáculo
da alma que se deseja...
Eu quero te amar em Braille...


Curitiba, madrugada de 18 de outubro de 2013.

domingo, 22 de abril de 2018

Radicalizar ou Relativizar



Rodolfo Pamplona Filho

Radicalizar é assumir um papel,
não admitindo interferência
na sua visão ou postura.
Relativizar é aceitar concessões,
buscando composições
que criem novas soluções.

Radicalizar é ser extremo,
mantendo a pureza intacta
da sua ideia original.
Relativizar é ser temperado,
sabendo que há pontos
que se deve abrir mão.

Radicalizar é tudo ou nada,
partindo para o confronto
de quem se opuser.
Flexibilizar é meio termo,
chamando para o diálogo
até mesmo seu inimigo.

Radicalizar é certo ou errado,
em que a consciência do objetivo
ilumina o caminho da luta.
Flexibilizar é se conformar
que não dá para mudar tudo,
mas alguma mudança já é um avanço.

É possível flexibilizar a radicalidade
ou radicalizar a flexibilidade,
na medida em que a maturidade,
a estratégia e a necessidade
clamem por um resultado de pacificação,
pois a postura a tomar
deve ser sempre encontrar o lugar
onde se acomode o seu coração.



São Paulo, 17 de agosto de 2016, quarta-feira, na conexão de um voo para Vitoria/ES.

sábado, 21 de abril de 2018

Todo mundo é vítima



Rodolfo Pamplona Filho

Todo mundo é vítima
e ninguém assume a culpa
Todo mundo é vítima
e se pode fugir da luta
Todo mundo é vítima
e se empurra a responsabilidade
Todo mundo é vítima
e não se muda nada de verdade
Todo mundo é vítima
e há argumento para tudo
Todo mundo é vítima
e punir é um absurdo
Todo mundo é vítima



No Trem de Madrid para Pamplona, 02 de outubro de 2012.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Pontualidade




Rodolfo Pamplona Filho

Achar natural
que outros esperem,
ainda que alguns segundos,
fazer algo que
só interessa a você
é o cúmulo da cara-de-pau
com a falta de noção...
E o pior de tudo
é quando se pede
que tenham consciência
para respeitar
o que só lhe interessa,
seja o embarque
(ou desembarque)
de alguém
ou mesmo
que algo ocorra
como se fosse
a mais importante
de todo o universo.
Como não se irritar
com as desculpas
ou justificativas
para seu atraso?
Ver rostos contritos,
olhos de gato de botas
ou um ar indignado
de quem foi vítima,
e não a causa
do irritante atraso
que prejudica todo mundo,
até mesmo a si...
E quem ousa reclamar,
deixando o silêncio conveniente,
para ser descrito
como um sujeito paranóico,
estressado ou simplesmente chato,
que fica inventando caso
ou querendo aparecer...
Pontualidade é respeito
ao tempo alheio!
E ponto!

Atenas, 29 de setembro de 2012.

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Questão de Caráter



Rodolfo Pamplona


Não há liberdade maior
do que a de ditar leis
a si próprio!
A liberdade não é
fazer o que se quer
quando bem se quer:
isso é simples selvageria!
Há muito mais
de liberdade na obediência
do que na demagogia!
Ser condenado à sua liberdade
não é ser dominado
pela Ditadura da mente vazia,
pois mais livre não é quem recusa,
mas, sim, quem se manifesta
e assume a disciplina da sua autonomia.

Lisboa, 31 de maio de 2016

quarta-feira, 18 de abril de 2018

O segredo


Rodolfo Pamplona Filho

O segredo da felicidade é
não esperar nada da vida.


Salvador, 10 de outubro de 2013, entristecido com a própria vida...

terça-feira, 17 de abril de 2018

Mágoas




Rodolfo Pamplona Filho


Há quem prefira
vender uma amizade
por um cachê artístico;
desprezar um amor puro
por ouvir a opinião de uma prima;
desprestigiar o trabalho alheio
para tentar se auto-afirmar;
esquecer uma fraternidade solidária
para soar de vítima da situação;
humilhar com ar de superioridade
a efetivamente investigar o ocorrido;
tripudiar a imagem de colegas
para posar de voz da maioria;
blefar descaradamente e sem pudor
do que aceitar ajuda desinteressada;
ignorar a presença e o cumprimento
em vez de tentar um diálogo honesto;
fazer troça da desgraça alheia
para se sentir aceito no grupo;
perseguir incansavelmente
por não tolerar o diferente;
jogar fora a chance de fazer o Bem,
para se deleitar com seu veneno...

Isso só gera mágoa,
que vira raiva,
até se converter,
se houver o remédio
do esquecimento,
em profunda indiferença,
mesmo sendo cicatriz,
que não se apaga,
para ensinar
em quem vale confiar...

Pamplona, 03 de outubro de 2012, pensando sobre o passado...

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Selfie



Rodolfo Pamplona Filho

Passou tanto tempo
tirando fotos
que perdeu a vista
do que estava ao seu lado...

Orlando, 27 de janeiro de 2017.

sexta-feira, 13 de abril de 2018

A Voz do Senso Comum


Rodolfo Pamplona Filho  


É difícil admitir

que alguém possa saber

mais do que você!

Tenho certeza absoluta

de tudo que falo,

pois somente digo

o que meu cabresto

permite ver...

Quero ir embora,

quando estou com medo,

mesmo quando se está perto

de onde se quer chegar.

Por que só tem isso?

Porque, na realidade,

não enxergo
o que há a mais...

Não estou conseguindo,

mesmo quando, na verdade,

eu nem sequer tentei...

Tenho medo

de fazer tudo aquilo

que nunca fiz antes...



Miami, 16 de janeiro de 2017.