O objetivo deste blog é divulgar toda a minha produção poética, sem prejuízo de continuar a ser postada também no Portal de Poesia Rodolfo Pamplona Filho (www.rodolfopamplonafilho.blogspot.com).
A diferença é que, lá, são publicados também textos alheios, em uma interação e comunhão poética, enquanto, aqui, serão divulgados somente textos poéticos (em prosa ou verso) de minha autoria, facilitando o conhecimento da minha reflexão...
Espero que gostem da iniciativa...

domingo, 20 de agosto de 2017

Voando pela primeira vez...





Rodolfo Pamplona Filho

As mãos gelam
As pernas pesam
Sinto um frio na barriga
que nunca senti antes

Embarque encerrado
A porta foi lacrada
Uma voz informa instruções...
...de emergência?

Quero uma mão para apertar,
um ombro para chorar,
um ouvido para gritar
tudo que tenho a relatar...

O motor é ligado...
Vejo a terra tremer...
Tudo começa a se deslocar
Meu Deus, onde fui parar?

Sinto que estamos subindo
Engulo em seco e abro os olhos
Respiro fundo e tomo coragem
de, finalmente, olhar a janela...

E tudo se acalma
com a beleza do mundo diminuindo,
com a certeza de que não estou caindo
com as nuvens do tapete de algodão
com um novo olhar longe do chão

E tudo se acalma
com um horizonte que é uma pintura
com a bonança depois da loucura
com a paz que se tem na altura
com um medo que fácil se cura

Voando pela primeira vez...

Para a menina que sentou ao meu lado, em pleno vôo da Azul, 26/10/2010

sábado, 19 de agosto de 2017

A Mais Linda Noite de Amor




Rodolfo Pamplona Filho

Quero passar a noite com você,
sentindo o gosto bom de sua boca,
respirando o perfume do seu corpo
e acariciando o seu rosto...

Quero segurar firme seus cabelos,
olhando direto em seus olhos,
passando a língua em sua pele
e abraçando forte o seu tronco...

Quero beijar cada parte do seu ser,
até ficar completamente sem ar
de tanto amor, de tanto amar...

E quero terminar esta noite casta
sem me entregar ao desejo carnal,
dormindo em seu seio um sono angelical.

Aracaju, 08 de outubro de 2010.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Green Eyes







Rodolfo Pamplona Filho

Once upon a time,
a man was looking for peace,
but all he found was darkness,
until he knows a special face:
Green Eyes...

Once in a life,
everyone has a chance
to learn the meaning
of beauty in the space:
Green Eyes...

Once, twice or a lot of times,
everybody has to live
with the hope of, finally,
be forever happy and young at heart;
Green Eyes...

There's no more seek
for a place to rest
There's no more need
to be always the best
All you really want to be with
It's... Green Eyes

Salvador, 19 de janeiro de 2011.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Imagine a cena...


Rodolfo Pamplona Filho


Imagine a cena...
Eu, sozinha,
banho tomado,
camisola de seda
e uma taça de vinho...

Estou feliz por estar só
pois, neste momento,
poderei dormir tranqüila,
imaginando você ao meu lado
e me fazendo acreditar
que o que sinto
é o amor mais puro
e perfeito que já tive...

Sinto sua falta
e queria muito mesmo
estar aí com você....
Na verdade,
essa vontade
nunca vai passar
pois descobri em você
minha extensão...
minha essência
e meu maior prazer..

Pensa em mim, amor!
Eu, de minha parte,
não tiro você da cabeça,
nem do coração...

Salvador, 30 de outubro de 2010.


terça-feira, 15 de agosto de 2017

O mais Poderoso Golpe



Rodolfo Pamplona Filho

Quando você me maltrata
e me joga às traças,
como um brinquedo
que não se quer mais,
eu já não brigo, nem reclamo
e assisto impassível
a indiferença do seu desdém,
esperando um dia
em que eu possa reagir,
não com a violência
dos injustiçados
ou a truculência
dos revoltados,
mas, sim, com a suavidade
de quem ama
e voltou a se sentir amado...
Meu mais poderoso golpe
é e sempre será o meu beijo...

Santiago/Chile, 28 de junho de 2012.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

A Perda da Inocência 3



Rodolfo Pamplona Filho

Procuro pelos heróis
que povoaram minha infância
e que velavam por nós
nas nossas lembranças...
Mas como considerar relevante
alguém com roupa colante,
quando se tem de passar
por um detector de metais,
para ir à escola, viajar
ou apenas se sentir em paz?
Como encontrar inspiração
quando os visionários reais
tiveram como retribuição
balas, um enterro e nada mais?
Será que tenho abrir mão
dos sonhos da imaginação,
pagando o alto preço
de ter de usar o pretexto
de que buscar a segurança
é perder a esperança
de que um Deus irá me proteger
para simplesmente compreender
que não há mais nada a fazer,
senão cada dia viver,
cuidando apenas de mim,
até o inevitável fim...

Campinas, 15 de novembro de 2015, no voo de volta a Salvador, meio desiludido com o mundo e a vida...

domingo, 13 de agosto de 2017

Exemplo

Rodolfo Pamplona Filho

Exemplo é ensinar com gestos,
conduta e comprometimento,
não somente com palavras
que se perdem com o vento...

O que adianta reclamar de ética
quando se frauda o ponto,
mete-se um atestado,
finge-se que não é consigo?

Como se exigir o cumprimento,
se faz tudo incompleto,
não capricha nas próprias tarefas,
orgulha-se das suas pendências?

Moral se compreende teoricamente,
mas não se aprende sem se viver,
não se internaliza sem sofrer
ou se testemunha sem saber.

A lição se aprende finalmente
quando o verbo se faz carne,
o ideal sai do armário
e a promessa vira ação.


São Paulo, 07 de junho de 2013, mas pensando em um péssimo exemplo
visto em Praia do Forte em 30 de maio de 2013.

sábado, 12 de agosto de 2017

Sábio Conselho (o poema)




Rodolfo Pamplona Filho

Aprenda
a não mais querer
sempre ser
o super homem,
assumindo tudo
ao mesmo tempo.
Vá cortando
o que for possível,
principalmente
o que dá
mais aborrecimento
que satisfação.
E tudo que não puder
ser sumariamente eliminado,
como o trabalho de subsistência,
batalhe para ajustar
para que seja mais prazer
do que sobrevivência
e aceite, resignado
(o que é diferente de passivo),
o que não puder ser alterado
ou não estiver a seu alcance.
Agir assim
parece mais difícil
do que realmente é,
porque a gente
não muda os outros,
mas pode mudar a si próprio...
Queira viver melhor,
desejando isso...
Simplesmente
comece
a rever
sua forma
de encarar a vida.


Salvador, 05 de setembro de 2013.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Soneto da Sintonia Infalível


Rodolfo Pamplona Filho

Ainda que divididos pelo Atlântico
e por fusos horários incompatíveis,
o que um sente de um lado,
o outro automaticamente responde.

Se um levanta assustado,
encontrará o outro conectado,
como se a energia gerada
fosse automaticamente repassada.

É realmente impressionante,
como tudo surge em um instante,
permitindo a imediata compreensão

pois o que, para muitos, é acaso,
para mim, é o mais evidente traço
de uma sintonia infalível de paixão.

Pamplona/Espanha, 03 de outubro de 2012.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Soneto da Relação Cama, Mesa e Banho


Rodolfo Pamplona Filho

Adoro a idéia de uma relação
em uma nova e abrangente versão,
talvez com diferente tamanho,
na cama, mesa e banho...

Cama, por tudo que explode
ou, no mínimo, se pode
fazer em cima ou por causa dela
 (e não necessariamente nela);

Mesa, por ser uma refeição
de mil talheres de satisfação
e de inesgotável prazer;

e banho, por limpar da monotonia,
saciando minha sede, outrora  vazia,
com toda a plenitude do viver.

Salvador, 30 de julho de 2012.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Vida sem Graça



Rodolfo Pamplona Filho

Fazer aniversário sem comemorar
Ouvir música sem cantar
Dormir cedo no Réveillon
Transar sem fazer som
Ir para New York e não curtir
Broadway ou Central Park
Contar piadas sem sequer sorrir
ou algo que, enfim, marque...
Querer carinho sem receber
Viver como se fosse inevitável sofrer...

Santiago/Chile, 26 de junho de 2012.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Como não entristecer?


Como não entristecer?

Rodolfo Pamplona Filho
Como não entristecer
quando seu parceiro
prefere comer uma marmita
em vez de almoçar fora com você?
Como não entristecer
se a sua carência
é vista como stress
ou crise de meia idade?
Como não entristecer
se o suposto desejo por você
é facilmente substituído
por uma ida ao mercado?
Como não entristecer
se tudo que se vive
é motivo para crise
e não se vê como sair?
Como não entristecer?

Salvador, 31 de julho de 2012.

domingo, 6 de agosto de 2017

Madrugada


Rodolfo Pamplona Filho

Fazer amor de madrugada
é mais do que parte do refrão
de uma inesquecível canção:
é a esperança de se ter
ainda muito a viver
em matéria de prazer...


Guayaquil, 01 de outubro de 2013.

sábado, 5 de agosto de 2017

Vida Morna

Rodolfo Pamplona Filho

Nem quente, nem frio...
Apenas morno...
Sem novas sensações
ou quaisquer emoções...
Em que um presente
de aniversario
é difícil demais de ser concedido,
mesmo que seja apenas
alguns momentos de seu tempo...
Mas nada disso importa...
É tudo sensibilidade exacerbada
como se bater à porta
fosse fazer nada...
E a vida segue igual...


São Paulo, 23 de junho de 2013

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

O Segredo da Felicidade


Rodolfo Pamplona Filho

O segredo da felicidade é
não esperar nada com vida...
não esperar nada pela vida...
não esperar nada na vida...
não esperar nada da vida...


Rio de Janeiro, 10 de outubro de 2013, antes do show do Black Sabbath, refletindo sobre expectativas e frustrações....

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Todo mundo é vítima


Todo mundo é vítima

Rodolfo Pamplona Filho
Todo mundo é vítima
e ninguém assume a culpa
Todo mundo é vítima
e se pode fugir da luta
Todo mundo é vítima
e se empurra a responsabilidade
Todo mundo é vítima
e não se muda nada de verdade
Todo mundo é vítima

e há argumento para tudo
Todo mundo é vítima
e punir é um absurdo
Todo mundo é vítima

No Trem de Madrid para Pamplona, 02 de outubro de 2012.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Triste Fim?


Rodolfo Pamplona Filho

Será o fim?
Triste fim...
Na verdade, tudo muda...
Só não muda a mudança...
Tudo muda...
As mudas voltarão a florescer...
e os mudos e os mundos também...
Por aí...
Os exemplos vão ficar
e os trilhos voltarão a se encaixar...
depois...

Salvador, 24 de agosto de 2013, batendo papo com Bernardo Lima no What's up..

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Proteção



Rodolfo Pamplona Filho

Como você me protegeria,
se fosse meu marido?
Como você me mostraria
o sentimento de ter guarida
nesta longa estrada da vida?

Como você me abraçaria,
se eu fosse sua mulher?
Como você me entregaria
o seu corpo e seu coração
para cantar juntos uma canção?

Como a vida seria,
se isso não fosse uma fantasia,
se o sonho virasse verdade
e se o delírio se tornasse realidade,
convertendo a solidão em proteção.

Salvador, 12 de maio de 2012.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Passarinho Preso


Rodolfo Pamplona Filho

Passarinho Preso
Luta por liberdade
mesmo sem saber
de verdade
Contra o que
está lutando

Não consegue perceber
que o vidro impede
ultrapassar o limite
imposto pelas circunstâncias,
mas, mesmo assim,
ele se joga adiante...

E se machuca...
E se fere...
E se extenua...
Mas não desiste...

E, por vezes, o olhar do monstro
ou o susto do terror
não é um sinal da morte,
mas, sim, da renovação
da esperança da saída,
em que a dor e o medo
são o que nos impelem
a continuar tentando...
até o fim...
... qualquer que seja ele...


Salvador, 24 de novembro de 2013, na rede da varanda da casa...

domingo, 30 de julho de 2017

Mundo Novo



Rodolfo Pamplona Filho

Em breve, passará o tempo rude
que trouxe esta seca maldita
que esvaziou o velho açude
e meu gosto pela vida...
(verei um Mundo Novo diferente...)

E a lágrima involuntária
virará chuva abundante...
E a alma solitária
sorrirá leve e confiante
(verei um Mundo Novo diferente...)

de que o verde inundará
o cinza que enfeiava o horizonte,
pois o gado vai engordar
e os cavalos beberão na fonte
(verei um Mundo Novo diferente...)

onde nadou o pequeno churueiro,
no tempos de Padre Nicanô,
coroinha e menino arteiro,
orgulho de seu avô...
(verei um Mundo Novo diferente...)

A brisa da tarde vai retornar
e apaziguar o calor fervente...
minha terra será sempre meu lar
e seu povo a minha gente
(verei um Mundo Novo diferente...)

Quando a esperança virar realidade
e for embora toda saudade,
verei rodas de samba com alegria
tocando até o raiar do dia...
(verei um Mundo Novo diferente...)

Quando o suspiro for somente
da nostalgia do que foi vivido,
e não mais da desolação impotente
do sofrimento sem sentido,
verei um Mundo Novo diferente...

Eu não quero muito cenas,
mas somente o que louvo
Eu quero, de volta, apenas
o meu Velho Mundo Novo...

Eu quero apenas de novo
o meu Velho Mundo Novo...

Salvador, 14 de janeiro de 2013.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

O Ocaso



Rodolfo Pamplona Filho

Dos dias
Do calor
Das vidas
Do amor
De nada
De tudo
Do nada
Do mundo


Bogotá, 05 de outubro de 2013, em conexão para o Brasil, olhando o entardecer...

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Vou morrer...


Rodolfo Pamplona Filho
Vou morrer...
De saudade...
De desejo...
De vontade...
De desespero...
Dor que só um remédio cura:
o amor mais puro
e lindo do universo


Salvador, 16 de setembro de 2013.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

É melhor não irmos além disso



Rodolfo Pamplona Filho

É melhor não irmos além disso,
antes que não seja possível
manter nossa sanidade mental.

É melhor não irmos além disso,
antes que os que nos amam
machuquem-se mais do que o normal.

É melhor não irmos além disso,
antes que alguém reaja
com violência animal.

É melhor não irmos além disso,
antes que nosso sofrimento
seja maior que o habitual.

É melhor não irmos além disso,
antes que um lindo romance
vire atração fatal.

É melhor não irmos além disso,
antes que nosso amor casto
torne-se meramente carnal.

É melhor não irmos além disso,
antes que o gosto doce da sua boca
vire amargo fel e sal.

É melhor não irmos além disso,
antes que o que só nos faz bem,
de repente, nos faça só mal...

É melhor não irmos além disso,
pois continuarei te amando sempre,
independentemente de qualquer final.

É melhor não irmos além disso...
É melhor não irmos além disso...

Salvador, 04 de outubro de 2010.

terça-feira, 25 de julho de 2017

Porto Seguro



Rodolfo Pamplona Filho

Naveguei por tantos mares,
conheci muitos lugares,
mas, em seu colo, achei
o local para aportar.

Andei por muitas terras,
vivi diversas eras,
mas, em seus olhos, vi
o farol para me guiar.

A vida inteira, eu procurei
e, agora que encontrei,
poderei sempre esperar
cada vez que se afastar
e não estarei mais triste
porque sei que existe
e tenho o meu porto seguro.

No voo para Salvador, 18 de junho de 2017.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Perdão




Rodolfo Pamplona Filho

Desculpe por não ter imaginado sua dor
Desculpe por ter te causado horror
Desculpe por ter sido tão insensível
Desculpe por ter sido tão horrível
Desculpe por pensar que atos somem
Desculpe por ter sido tão homem

domingo, 23 de julho de 2017

Apenas um dia ruim




Rodolfo Pamplona Filho

Cuidado com
os dias ruins...
Não tome decisões
em dias ruins...

Por vezes, só o que
é necessário é
apenas um dia ruim

Há momentos em que
tudo é despertado por
apenas um dia ruim

Todo o amor
Toda uma vida
Tudo que se acredita
desvanece por
apenas um dia ruim

Se tudo que é sólido
desmancha no ar,
não há efetiva diferença
entre loucura e sanidade,
se você se apega à realidade
acreditando em
uma só verdade.

O que faz ser
o que você é?
O que dá sentido
ao que você faz
ou diz
ou quer fazer
ou diz que quer fazer?

apenas um dia ruim...

sábado, 22 de julho de 2017

Ao amado




Rodolfo Pamplona Filho

Quando se deseja
muito alguma coisa,
você espera o tempo que for...

Quando se descobre
a pulsão que renova a vida,
todo botão vira flor...

Você está tatuado
na minha alma
e no meu coração
Você será sempre lembrado
na minha cama
e na minha canção.

Se chuva não para lá fora,
também não cessa em meu peito
de saudade de você

Se a cidade está em chamas,
ardendo fico eu
quando penso em você

No voo para Salvador, 18 de junho de 2017.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Descobrindo e Descobrindo-se

 

Rodolfo Pamplona Filho

Ele se achava tão delicado, 
um ser sensível e feminino
Que havia esquecido 
o homem que habita em si
Ele achava que sabia 
como elas sentiam 
que nem percebeu 
o quanto eram diferentes
Quando a viu chorar,
a sua dor virou a dele
e, só então percebeu 
que seu lado feminino 
nunca será completo...
Ele é feminista, 
compreensivo, amigo
e companheiro...
mas ela é uma mulher.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Ele e Ela






Rodolfo Pamplona Filho

Ele dorme fácil e profundamente. 
Ela demora a dormir e seu sono é leve.
Ele diz que não tem ciúmes.
Ela é assumidamente ciumenta.
Ele não tem fé
Ela não acredita na existência sem.
Ele é metódico
Ela é bagunceira
Ele pensa demais
Ela é impulsiva
Ele a ensina a pensar um dia apos o outro
Ela o lembra que a vida corre rápido
Ele tem a calma que ela precisa
Ela tem a vontade de viver que ele admira
Eles torcem para times diferentes
Votam em partidos diferentes
Reagem de forma diferente ao mundo...

Aos olhares alheios, somente podem ser
apenas um belo (e heterodoxo) casal...
mas, na essência, são complementares:
Ele buscava um amor, ela também...
Um dia, seus olhares se cruzaram
e, desde então,
ele é dela e
ela é dele.

Salvador, 02 de julho de 2017.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Uma Mulher Torta






Rodolfo Pamplona Filho


Amo uma mulher torta
com olhos tortos
com dentes tortos
com pernas tortas
mas somente ela
consegue me endireitar 
e me fazer feliz

Amo uma mulher torta
que torce para o time errado
que vota no partido errado 
que sempre me entende errado
mas somente ela 
é a mulher certa 
para me fazer feliz.

Paris, 23 de junho de 2017.

terça-feira, 18 de julho de 2017

O Canto do Cisne





Rodolfo Pamplona Filho


A proximidade da despedida
faz com que a melodia
mais encantadora
seja continuamente entoada,
como a forçosamente lembrar
os momentos de fascinação
que ficaram no passado
e que nunca voltarão...
Assim, sai de cena o Cisne,
dando lugar, no palco da vida,
a quem viverá o futuro...

Madrid, 06 de outubro de 2012.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Conquista em Ciudad Real




Rodolfo Pamplona Filho

Vini, vidi et vici.
O sabor da conquista
é maravilhoso e inesquecível.
Realizar em tempo recorde
aquilo que outros
não conseguem fazer
em toda uma vida
é uma satisfação
que não se quer abrir mão...
Sentir-me como meu amado
Esquadrão de Aço,
buscando mais um...
mais um título de glória
é uma felicidade comparável
a escrever um livro,
plantar uma árvore
ou ter um filho:
é preciso viver para sentir!
E tudo que fica
é a sensação
e a vontade de dizer:
Para o alto e avante!


Ciudad Real, 04 de outubro de 2012

domingo, 16 de julho de 2017

Aprisionado



Rodolfo Pamplona Filho


A vida além das grades
não passa de uma lembrança
de um sonho longínquo
e a esperança da liberdade
é um sussuro em meio
a um violento tornado...
E, neste fio quase invisível,
busca-se um poder sobrenatural
de adentrar o coração das trevas
sem medo e sem ser incomodado,
para salvar sua vida
das ignonímias infernais
sofridas neste purgatório...
O que será esta força?
A certeza de que é melhor
morrer em pé do que de joelhos...

No trem de Pamplona para Madrid, 03 de outubro de 2012.


sábado, 15 de julho de 2017

Azul Profundo (uma releitura para Marlus)



Rodolfo Pamplona Filho

A conjunção das variáveis
solares, físicas, angulares
faz surgir...  ( : o inacreditável...

Entender que a luz altera
o tom, a cor encanta,
ao transpor, do verde, anil
Mergulhar, azul profundo,
água do Cair - Be
ou do mar Santorini
ou domar Santa Irini

Planar seu... céus e planos,
como no vôo de Ícaro
ou Gagarin no espaço

Revelar eclipses,
caminhos carinhos,
nús horizontes
Saber o mistério do mistério,
a que destina o segredo,
do desejo, o impulso


De onde vem este encanto,
entorpecente encontro)
que inebria sem embebedar?

o que quer a vida...
viver  uma vida
sem saber teus olhos?

Santorini, 27 de setembro de 2012

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Voltar a Viver




Rodolfo Pamplona Filho


Meu Deus...
Quanto tempo desperdiçado...
podendo estar ao seu lado...
meus olhos se perdem
e se confundem
com o verde do mar...
e trazem a lembrança
que me faz sonhar...
que você é real
e que quero te abraçar...

Mas este mesmo Deus
permitiu-nos o reencontro...
para o qual finalmente
estávamos prontos...
o que talvez, na verdade,
não fosse possível no passado...
pela intensidade e maturidade
do puro amor revelado...

E a cada momento vivido,
que, para muitos, seria incompreensível
é cada dia mais bonito...
é cada dia mais incrível...
e me concede a certeza
de ser um presente da natureza
com uma indescritível beleza...

E não tenha dúvida de que algo nasceu
com animus de definitividade,
o que prova que serei sempre seu
e que voltar a viver não tem idade...

Salvador, 05 de outubro de 2010.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Olhando os Campos da Espanha




Rodolfo Pamplona Filho


Olhando os Campos da Espanha,
pensei em toda minha existência,
a caminho de Pamplona,
origem e destino fundidos,
sem saber o que o futuro reserva
para cada momento a viver,
cada desafio a enfrentar
e cada decisão a tomar...

Sentado horas no trem,
entretido com imagens na janela
e ouvindo meu amigo Daniel a cantar
no music player do celular,
satisfeito com o passado construído,
revi cada instante vivido,
cada batalha vencida
e cada resolução assumida...

Esperando o tempo passar,
vi-me menino carente e homem feito,
com desejos ainda a saciar
e a nutrir esperanças de voltar
a acreditar em algo a encantar
cada segundo que resta da lida,
cada tarefa a ser perseguida
e cada mudança nos rumos da vida...

Olhando os Campos da Espanha...

No trem de Madrid para Pamplona, 02 de outubro de 2012.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

A Mulher que mais amo na vida





Rodolfo Pamplona Filho

Há uma mulher que eu amo:
não há sensação melhor
do que colocá-la para dormir
e esperar seu despertar...

Há uma mulher que eu amo muito:
não houve dia mais feliz
do que o dia em que ela surgiu em minha vida,
dando sabor ao que era insípido,
dando cor ao que era apagado,
dando luz ao que era trevas...

Há uma mulher que eu amo demais:
cada ato por ela praticado,
cada palavra por ela dita,
cada ar que ela respira
aumenta a minha alegria infinita

Há uma mulher que eu amo bastante:
se o amor é inesgotável,
para ela, é o suficiente,
pois tudo que sou somente fez sentido
por, um dia, tê-la, nos meus braços, recebido.

Há uma mulher que eu amo loucamente:
por ela, mato e morro;
luto e não desisto; choro e rio;
no sol, chuva, calor ou frio.

Há uma mulher que eu amo...
É a mulher que eu amo mais na vida!
A mulher que eu amo mais na vida
é você, minha filha!

Praia do Forte, 10 de outubro de 2010.

terça-feira, 11 de julho de 2017

Mágoas




Rodolfo Pamplona Filho


Há quem prefira
vender uma amizade
por um cachê artístico;
desprezar um amor puro
por ouvir a opinião de uma prima;
desprestigiar o trabalho alheio
para tentar se auto-afirmar;
esquecer uma fraternidade solidária
para soar de vítima da situação;
humilhar com ar de superioridade
a efetivamente investigar o ocorrido;
tripudiar a imagem de colegas
para posar de voz da maioria;
blefar descaradamente e sem pudor
do que aceitar ajuda desinteressada;
ignorar a presença e o cumprimento
em vez de tentar um diálogo honesto;
fazer troça da desgraça alheia
para se sentir aceito no grupo;
perseguir incansavelmente
por não tolerar o diferente;
jogar fora a chance de fazer o Bem,
para se deleitar com seu veneno...

Isso só gera mágoa,
que vira raiva,
até se converter,
se houver o remédio
do esquecimento,
em profunda indiferença,
mesmo sendo cicatriz,
que não se apaga,
para ensinar
em quem vale confiar...

Pamplona, 03 de outubro de 2012, pensando sobre o passado...

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Sabedoria em Efésios 5, 15-21



Rodolfo Pamplona Filho

Sabedoria é mais do que
algo de tudo conhecer...
é saber lidar com o tempo,
a vontade e os desejos...
pois não saber dominar o tempo
é se tornar escravo dele...
pois não administrar a vontade
é ser dominado por ela...
pois não depurar seus desejos
é se entregar a eles...

O controle do tempo não significa
conseguir fazer tudo na vida,
mas, sim, saber o que se prioriza
e o que nem entra na lista...
A vontade não pode se resumir
ao que dá certo,
mas sim a intenção
que se leva no coração...
Saber qual é o seu desejo
não é negar a própria satisfação,
mas ter plena e efetiva consciência
do que é vital para a sobrevivência.

Salvador, 21 de outubro de 2012, refletindo sobre a palavra do Pastor Afa Neto...

domingo, 9 de julho de 2017

A Palavra




Rodolfo Pamplona Filho


A palavra encanta
e provoca a reflexão
Se a imagem diz muito,
a palavra diz tudo,
para sábios e incultos,
na medida do seu alcance...

Madrid, 01 de outubro de 2012.


sábado, 8 de julho de 2017

Todo mundo é vítima





Rodolfo Pamplona Filho


Todo mundo é vítima
e ninguém assume a culpa
Todo mundo é vítima
e se pode fugir da luta
Todo mundo é vítima
e se empurra a responsabilidade
Todo mundo é vítima
e não se muda nada de verdade
Todo mundo é vítima
e há argumento para tudo
Todo mundo é vítima
e punir é um absurdo
Todo mundo é vítima

No Trem de Madrid para Pamplona, 02 de outubro de 2012.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Soneto da Sintonia Infalível




Rodolfo Pamplona Filho

Ainda que divididos pelo Atlântico
e por fusos horários incompatíveis,
o que um sente de um lado,
o outro automaticamente responde.

Se um levanta assustado,
encontrará o outro conectado,
como se a energia gerada
fosse automaticamente repassada.

É realmente impressionante,
como tudo surge em um instante,
permitindo a imediata compreensão

pois o que, para muitos, é acaso,
para mim, é o mais evidente traço
de uma sintonia infalível de paixão.

Pamplona/Espanha, 03 de outubro de 2012.


quinta-feira, 6 de julho de 2017

Necessidade de Reclamar




Rodolfo Pamplona Filho


Há indivíduos que
mal comem feijão com arroz
e querem questionar
a qualidade do champagne...
Pessoas que não sabem distinguir
um idioma de um dialeto,
um prato de um lanche
ou uma casa de um lar
e querem posar para a sociedade
como sacerdotes do culto,
vestais do templo
ou oráculos da verdade...
Pobres diabos,
eles não sabem
o que fazem, pois
sua vontade de viver
se confunde com
sua necessidade de reclamar...

Pamplona/Espanha, 03 de outubro de 2012.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Soneto da Dissonância Cognitiva




Rodolfo Pamplona Filho


Contrastar uma crença básica
em oposição diametral à outra.
Viver uma vida antropofágica,
devorando o que está à solta.

Declarar-se algo
que se sabe que não se é...
pois tudo que conquistou
foi baseado em um temor

que deixou de existir,
passando a viver
somente para repetir

o que nem mais se crê,
em  uma forma de auto-punir,
ao impor a si mesmo um sofrer...

Mikonos, 24 de setembro de 2012.

terça-feira, 4 de julho de 2017

Medicina



Rodolfo Pamplona Filho


É no Santuário de Sculapio,
em que Hipócrates separou
o Logos da Cega Crença,
que se depositam as esperanças
de quem ainda crê em salvação,
não da alma perdida ou maltratada,
mas, sim, do corpo massacrado,
entregue às intempéries da saudade,
no sofrimento da enfermidade.
Não se sabe quem cura:
se Deus ou a mão do homem...
Isto pouco importa para quem busca
a retomada do vigor,
o reencontro do calor
e a superação do torpor
do sofrimento e da dor.

Atenas/Grécia, 29 de setembro de 2012, pensando no Templo de Sculapio.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Sagapo




Rodolfo Pamplona Filho

Kalimera,
agapi mou!
Giassou,
minha Athenea!
Deixe-me ser seu Colosso,
parakalo,
procurar suas curvas
e cavernas de Santorini...
Fugirei para Patmos,
pregarei em Éfeso
e sonharei em Mikonos.
Quero ser sua Acrópole,
matando o minotauro em Creta
seemera et avrio.
Seja a minha forma clássica:
dórica, jônica ou korinthia...
Sagapo, meu Parthenon!
Se me fascinam
as mulheres de Atenas,
da vida, eu quero
somente você apenas.

Atenas/Grécia, 29 de setembro de 2012.

domingo, 2 de julho de 2017

Reconstruindo a História



Rodolfo Pamplona Filho


Desde a supressão
de um personagem
em Guerras Secretas
até a retirada de fotos
de um mural institucional,
passando pela defesa
da concepção imaculada
(e da permanência virginal,
mesmo após o parto
e com a continuidade
da vida conjugal...),
tudo pode ser visto
ou revisto,
sob a ótica,
a filosofia
e a ideologia
de quem conta
a história...
Assim, fica fácil
falar dos mistérios da fé
ou de eleições com
votos de sangue
ou 100% de aprovação...
E quando se percebe
a profunda manipulação,
surge a reforma,
a contra-reforma,
a marcha de protesto
ou a primavera árabe,
em que quem
não está acostumado
a ser sequer contestado
tem de ser confrontado
com sua situação
de ditador de plantão,
mesmo sem clara intenção
de se tornar seu próprio
objeto de adoração.

Madrid, 01 de outubro de 2012.
Postado por Rodolfo Pamplona Filho às 05:30 Nenhum comentário:
Enviar por e-mail
BlogThis!
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no Facebook
Compartilhar com o Pinterest

Marcadores:
terça-feira, 24 de dezembro de 2013

sábado, 1 de julho de 2017

Diretiva da Vergonha




Rodolfo Pamplona Filho

Fui detido
- não acredito! –
Em um Campo de Concentração,
Digo, um Centro de Detenção

Fui detido
Sem crime cometer
Sem matar, nem roubar
Ou a ninguém prejudicar

Fui detido
Sem direito de defesa
Como se estar sem documento
Fosse um bilhete direto para o inferno

Fui detido
Pelo crime de ter esperança
De buscar um novo horizonte
Para mim e minha família

Fui detido
Pelo pecado de sonhar
Por uma nova vida enfrentar
Com disposição para trabalhar

Diretiva
Diretriz
Direção
Que eu não quis...

Retorno
Resolvo
Revolto
Expulsão...

Ilegais são atos, não pessoas.
Indignos são preconceitos escondidos
Em um revival de tempos idos
Em que se separava as pessoas pela origem

Fui detido
- é certo! –
Não pelo que fiz ou faria
Mas pelo crime de SER HUMANO

Ciudad Real, 28 de setembro de 2009


sexta-feira, 30 de junho de 2017

Mulher Ideal




Rodolfo Pamplona Filho
O que é uma mulher ideal?
Definitivamente, não é
alguém que não envelhece,
mas, sim, alguém para quem
o tempo não afeta o humor...
Não é alguém sem defeitos,
mas que aprende a sublimá-los
ou que acostumamos com eles...
E, ainda que brigue de vez em quando,
faça as pazes de forma tão gostosa,
que apague qualquer ressentimento...
Não precisa concordar com tudo,
mas tenha uma sintonia tal,
que saiba seu pensamento
antes de verbalizá-lo...
Esta é a minha mulher ideal!

Atenas, 29 de setembro de 2012.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Gerúndio




Rodolfo Pamplona Filho

Eu não quero ser
um projeto acabado.
Eu estou a viver.
Eu estou vivendo.
Hoje e Sempre...

Atenas, 29 de setembro de 2012.
Postado por Rodolfo Pamplona Filho às 05:30 Nenhum comentário:
Enviar por e-mail
BlogThis!
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no Facebook
Compartilhar com o Pinterest